Dinâmicas para encontros e reuniões ******************* (Atualizado em: 24/04/2008)

dinamicas para grupoP2.JPG

Como é bom participar ou realizar um encontro onde podemos viver cada momento com toda intensidade, isso se torna gostoso e até divertido, não é? Abaixo trago algumas experiências realizadas em reuniões e encontros dos mais diversos, desde encontros de jovens, catequese, reuniões de lideranças, a até retiros de espiritualidade. Usamos de dinâmicas para gerar maior entrosamento entre os participantes ou até para concluir um assunto discutido. Faça bom uso destes meios, aguardo também a sua sugestão, escreva e participe. A cada mês traremos mais novidades.

Escreva para nossa equipe: pascomdodivino@pop.com.br

Confira a nossa 24ª Dinâmica: O cego Bartimeu bts13.gif
Confira nossa lista atualizada de dinâmicas:
01 - Dinâmica do Coração
02 - Presente de Amigo
03 - Trocando Crachás
04 - Dinâmica do Barco.
05 - Memorizar Nomes
06 - Jogo Comunitário
07 - O Presente da Alegria
08 - Abra meu Olho Irmão
09 - Jogo da Bola
10 - Locomotiva humana
11 - Kinder Ovo
12 - Dinâmica da Bala
13 - As Dimensões da Liderança
14 - Evangelho em Pedaços
15 - Um Trabalho em Equipe
16 - Aulinha
17 - Técnica de Encontro
18 - MINHA VIDA PELAS FIGURAS
19 - COMPRIMIDO PARA A FÉ
20 - O Encontro de Dois Grupos
21 - Os três copos
22 - Evangelho em Pedaços
23 - O desafio na vida do Jovem
24 - O cego Bartimeu
25 - Recordação da infância

dininho.JPGDinoel H. - Coordenador da Pastoral da Comunicação Paroquial, músico e compositor.
bts17.gif


01 - Dinâmica do Coração
Ótima para começar um encontro ou aprofundamento.
Fazer um coração bem grande forra de papel madeira branco e deixa uma mesa para que todos que chegue coloque seu nome no coração (apenas o 1º nome)

(no verso do coração coloca foto de N. Senhora, Sagrada Familia ou opadroeiro de alguma comunidade)

Depois que todos estiverem reunidos mostrar a parte do coração que está com os nomes e motivar uma oração e vira o coração e faz a oração inicial ou deixa o coração para a oração de encerramento.

02 - Presente de Amigo
Objetivo:
Enaltecer qualidades dos integrantes do grupo.
Quantidade de Participantes:
10 a 30 pessoas
Material:
Lápis e papel para os integrantes
Tempo Estimado:
30 minutos
Desenvolvimento:
O coordenador divide o grupo em subgrupos de quatro a seis integrantes e, em seguida, expõe o seguinte: "Muitas vezes apreciamos mais um presente pequeno do que um grande. Muitas vezes ficamos preocupados por não sermos capazes de realizar coisas grandes e negligenciamos de fazer coisas menores, embora de grande significado. Na experiência que segue, seremos capazes de dar um pequeno presente de alegria para alguns integrantes do grupo." Prosseguindo, o coordenador convida os integrantes para que escrevam mensagens para todos os integrantes de seu subgrupo. As mensagens devem ser da seguinte forma:
a) Provocar sentimentos positivos no destinatário com relação a si mesmo;
b) Ser mais específicas, descrevendo detalhes próprios da pessoa ao invés de características muito genéricas;
c) Indicar os pontos positivos da pessoa dentro do contexto do grupo;
d) Ser na primeira pessoa;
e) Ser sinceras;
f) Podem ser ou não assinadas, de acordo com a vontade do remetente.
As mensagens são dobradas e o nome do destinatário é colocado do lado de fora. Então elas são recolhidas e entregues aos destinatários. Depois que todos tiverem lido as mensagens, segue-se a conclusão da dinâmica com um debate sobre as reações dos integrantes.


03 - Trocando Crachás
Objetivo:
Facilitar a memorização dos nomes e um melhor conhecimento entre os integrantes.
Quantidade de Participantes:
15 a 30 pessoas
Material:
Crachás com os nomes dos integrantes.
Tempo Estimado:
20 minutos
Desenvolvimento:
O coordenador distribui os crachás aos respectivos integrantes. Após algum tempo recolhem-se os crachás e cada um recebe um crachá que não deve ser o seu. Os integrantes devem passear pela sala a procura do integrante que possui o seu crachá para recebê-lo de volta. Neste momento, ambos devem aproveitar para uma pequena conversa informal, onde procurem conhecer algo novo sobre o outro integrante. Após todos terem retomado seus crachás, o grupo deve debater sobre as diferentes reações durante a experiência.

04 - Dinâmica do Barco.
nº de pessoas indeterminados
Preparar barquinhos de papel
Neste barco as pessoas escreve o seu nome e coloca um papel dentro dele dizendo qual o compromisso que vai ter para seguir a Jesus dentro da caminhada da pastoral (vocanional, criança..).

múscia intrumental para que as pessoas reflitam.
sugestão: usar o dedo como uma caneta imaginária.

Com a musica lá na praia eu larguei o meu barco todos levam seus barquinhos para um lugar preparado com antecedencia (que parece um mar ou uma local com água) é otímo para esse perido que falos de batismo e águas profundas.

05 - Memorizar Nomes
Objetivo:
Memorizar os nomes dos membros do grupo, favorecendo o conhecimento mútuo.
Quantidade de Participantes:
10 a 20 pessoas
Tempo Estimado:
15 minutos
Desenvolvimento:
Todos devem estar sentados em um círculo de modo que a fisionomia de cada integrante possa ser bem visualizada pelos demais integrantes do grupo, bem como sua voz possa ser bem compreendida. O coordenador deve dizer seu nome acrescido de algum adjetivo que se inicie com a primeira letra de seu nome. Por exemplo: Roberto risonho. O seguinte deve repetir o nome do coordenador e o adjetivo correspondente e realizar o mesmo para o seu nome, e assim sucessivamente. Se algum nome for esquecido, o integrante pode ser auxiliado por outros integrantes, menos o dono do nome. Ao final pode-se debater a experiência na tarefa de lembra os nomes e na escolha dos adjetivos.


06 - Jogo Comunitário
Objetivo:
Descontrair e ao mesmo tempo ajudar a memorizar o nome dos outros participantes.
Material:
Uma flor.
Desenvolvimento:
Os participantes sentam-se em círculo e o animador tem uma flor na mão. Diz para a pessoa que está à sua esquerda : senhor... (diz o nome da pessoa), receba esta flor que o senhor...(diz o nome da pessoa da direita) lhe enviou...
E entrega a flor. A pessoa seguinte deve fazer a mesma coisa. Quem trocar ou esquecer algum nome, passará a ser chamado pelo nome de um bicho. Por exemplo, gato. Quando tiverem que se referir a ele, os seus vizinhos, em vez de dizerem seu nome, devem chamá-lo pelo nome do bicho.
O animador deve ficar atento e nào deixar os participantes entediados. Quanto mais rápido se faz a entrega da flor, mais engraçado fica o jogo.


07 - O Presente da Alegria
Objetivo:
Promover um clima de confiança pessoal, de valorização pessoal e um estímulo positivo, no meio do grupo; dar e receber um "feedback" positivo num ambiente grupal.
Quantidade de Participantes:
3 a 10 pessoas
Material:
Lápis e papel
Tempo Estimado:
5 minutos por participante
Desenvolvimento:
I. O coordenador forma subgrupos e fornece papel para cada participante;
II. A seguir, o coordenador fará uma exposição, como segue: "muitas vezes apreciamos mais um presente pequeno do que um grande. Muitas vezes ficamos preocupados por não sermos capazes de realizar coisas grandes e negligenciamos de fazer coisas menores, embora de grande significado. Na experiência que segue, seremos capazes de dar um pequeno presente de alegria para cada membro do grupo";
III. Prosseguindo, o coordenador convida os membros dos subgrupos para que escrevam uma mensagem para cada membro do subgrupo. A mensagem visa provocar em cada pessoa sentimentos positivos em relação a si mesmo;
IV. O coordenador apresenta sugestões, procurando induzir a todos a mensagem para cada membro do subgrupo, mesmo para aquelas pessoas pelas quais não sintam grande simpatia. Na mensagem dirá:

1. Procure ser específico, dizendo por exemplo: "gosto do seu modo de rir toda vez que você se dirige a uma pessoa", em vez de: "eu gosto de sua atitude", que é mais geral;
2. Procure escrever uma mensagem especial que se enquadre bem na pessoa, em vez de um comentário que se aplique a várias pessoas;
3. Inclua todos, embora não conheça suficientemente bem. Procure algo de positivo em todos;
4. Procure dizer a cada um o que observou dentro do grupo, seus pontos altos, seus sucessos, e faça a colocação sempre na primeira pessoa, assim: "eu gosto" ou "eu sinto";
5. Diga ao outro o que encontra nele que faz você ser mais feliz;

V. Os participantes poderão, caso queiram, assinar a mensagem;
VI. Escritas as mensagens, serão elas dobradas e colocadas numa caixa para ser recolhidas, a seguir, com os nomes dos endereçados no lado de fora.


08 - Abra meu Olho Irmão
Objetivo:
Tomar consciência da luta desigual que enfrentamos em nossa sociedade.
Quantidade de Participantes:
7 a 30 pessoas
Material:
Dois panos para fechar os olhos e dois chinelos ou porretes feitos com jornais enrolados em forma de cacetete
Tempo Estimado:
20 minutos
Desenvolvimento:
Dois voluntários devem ter os rostos cobertos e devem receber um chinelo ou porrete. Depois devem iniciar uma briga de cegos, para ver quem acerta mais o outro no escuro. O restante do grupo apenas assiste. Assim que inicia a "briga", o coordenador faz sinal para o grupo não dizer nada e desamarra a venda dos olhos de um dos voluntários e deixa a briga continuar. Depois de tempo suficiente para que os resultados das duas situações sejam bem observados, o coordenador retira a venda do outro voluntário e encerra a experiência, abrindo um debate sobre o que se presenciou no contexto da sociedade atual. A reação dos participantes pode ser muito variada. Por isso, é conveniente refletir algumas posturas como: indiferença x indignação; aplaudir o agressor x posicionar-se para defender o indefeso; lavar as mãos x envolver-se e solidarizar-se com o oprimido, etc. Alguns questionamentos podem ajudar, primeiro perguntar aos voluntários como se sentiram e o por quê. Depois dar a palavra aos demais participantes.
Qual foi a postura do grupo?
Para quem torceram?
O que isso tem a ver com nossa realidade?
Quais as cegueiras que enfrentamos hoje?
O que significa ter os olhos vendados?
Quem estabelece as regras do jogo da vida social, política e econômica hoje?
Como podemos contribuir para tirar as vendas dos olhos daqueles que não enxergam?
Fonte:
Livro Recriando Experiências (Grupo Maria de Nazaré)
Observação:
Possíveis leituras do Evangelho - Mc 10, 46-52 ou Lc 24, 13-34.


09 - Jogo da Bola

Objetivos
Apresentação, descontração, integração, aquecimento, levantamento de expectativas, vitalizador.

Participantes
Até 15

Recursos
Bola

Tempo
20 min

Instruções

Todos os participantes ficam em pé, inclusive o Facilitador, formando um círculo.
Em posse da bola, cada participante deve dizer: NOME, APELIDO e um "HOBBY".
Iniciando pelo Facilitador, todos se apresentam.
Aquele que deixar cair a bola, passar para um participante que já se apresentou ou esquecer algum item da apresentação, recebe um "castigo" imposto pelo grupo (imitar, cantar, declamar, etc.).
VARIAÇÃO: ao invés do apelido ou "hobby", pode-se questionar: estado civil, número de filhos, expectativa diante do trabalho (com uma palavra), o que tem de melhor de si para dar ao grupo (em uma palavra). É importante haver, no mínimo, três questões.


10 - Locomotiva humana
Objetivo
Atenção, percepção, memória, integração.

Participantes
20

Recursos
Fita ou CD com trechos de músicas em diferentes ritmos, aparelho de som.30 min

Tempo
30 min

Instruções
As pessoas caminham pela sala durante aproximadamente 5 minutos relembrando o nome dos demais participantes e observando uma qualidade presente em cada um deles.
O facilitador coloca uma fita com diversos trechos de músicas.
Um dos participantes inicia a dinâmica identificado como locomotiva e sai pela sala dizendo o nome e a qualidade de uma das pessoas do grupo, no ritmo da música.
Aquele que foi chamado prende-se à cintura da locomotiva e chama outro participante, destacando sua qualidade ( sem sair do ritmo da música que estiver tocando no momento ).
Este processo deve ser repetido até que o trem esteja formado por todos os integrantes do grupo.
VARIAÇÃO: Após todos os participantes terem formado o trem, pode-se fazer o processo inverso, a fim de ampliar a dinâmica: antes de cada um se sentar deve pronunciar o nome e a qualidade daquele que está a sua frente até que se chegue à locomotiva.

11 - Kinder Ovo
Objetivo:
Mostrar a importância de ter valores e planos para a nossa vida, que é única.
Quantidade de Participantes:
7 a 15 pessoas
Material:
Ovos de chocolate da marca Kinder na mesma quantidade do número de integrantes.
Tempo Estimado:
30 minutos
Desenvolvimento:
O coordenador deve pedir que os integrantes fechem os olhos. Em seguida deve começar a contar a estória de um pássaro azul muito belo e capaz de vôos muito altos, por lugares muito bonitos, que está trazendo uma surpresa para os integrantes do grupo. O relato deve começar por lugares distantes, com uma descrição detalhada da beleza destes lugares e de como eles fazem parte do plano de Deus. Aos poucos o pássaro azul deve se aproximar do local da reunião, sempre se destacando a perfeição e a beleza de todos os lugares. Por fim, o pássaro chega no local da reunião com uma surpresa para cada integrante. Estes podem então abrir os olhos e cada um verá a sua frente um Kinder ovo. O relato deve ser bem trabalhado e dar tempo para que todos os ovos sejam devidamente colocados próximo aos integrantes. Para isso, o coordenador deve se locomover durante o relato. E para garantir os resultados da dinâmica, os ovos não podem ser vistos pelos integrantes antes do final do relato. Após abrirem os olhos, os integrantes devem abrir seus ovos e montar sua surpresa trazida pelo pássaro azul. Então devem ser colocados os seguintes questionamentos ao grupo:
* O que você esperava que fosse trazido pelo pássaro azul para você?
* De que forma você pensa que está inserido no plano de Deus? O que te espera no futuro?
* O que VOCÊ está construindo na sua vida, que é um todo indivisível?.


12 - Dinâmica da Bala
Objetivo:
Abordar pontos positivos e negativos individuais dos integrantes do grupo.
Quantidade de Participantes:
7 a 15 pessoas
Material:
Balas de cereja (com sabor azedo) e bombons na proporção de uma de cada tipo para cada integrante do grupo. (Obs.: Nada impede que o número de balas e bombons seja aumentado ou que os mesmos sejam novamente utilizados durante a dinâmica, opção do coordenador. Esta dinâmica é mais indicada para grupos homogêneos em termos de laços de amizade.)
Tempo Estimado:
30 minutos
Desenvolvimento:
O coordenador deve distribuir as balas e bombons para os integrantes do grupo. Cada integrante deve distribui-los do seguinte modo:
* O bombom é dado a uma pessoa que tenha feito algo positivo que tenha chamado a atenção do integrante.
* A bala azeda é dado a uma pessoa que tenha agido de maneira que tenha entristecido a pessoa que deu a bala ou alguma outra pessoa.
A distribuição não deve apresentar nenhuma ordem em especial, sendo totalmente espontânea. Uma bala ou bombom pode ser dado a alguém que já tenha recebido outra do mesmo tipo. Os integrantes podem dar balas ou bombons para si próprios. A apresentação correspondente às balas azedas deve ser feita com sinceridade, mas também com muita sensibilidade para que a pessoa, sem ser ofendida, possa rever algumas de suas ações.


13 - As Dimensões da Liderança
Objetivo:
Focalizar as responsabilidades e os problemas da liderança.
Quantidade de Participantes:
12 pessoas
Material:
Moedas ou cédulas que serão coletadas entre os membros do grupo.
Tempo Estimado:
1 hora
Desenvolvimento:
Este exercício pode ser feito logo após o a dinâmica "Qualidade do Líder Democrático", mas pode também ser adaptado a qualquer outro no qual é eleito um líder.
I. O coordenador pede que o grupo faça a eleição de um líder que deverá coletar a importância de r$ 2,00 de cada membro do grupo.
A seguir explicará que o dinheiro será redistribuído pelo líder, na base de um múltiplo critério;
II. O coordenador solicita a ajuda do grupo no sentido de sugerir os múltiplos critério para a redistribuição do dinheiro. Querendo, poderá formar subgrupos. O líder eleito não tomará parte, mas poderá passar de grupo em grupo para observar. O critério poderá incluir, por exemplo, os indivíduos mais votados, os que mais influenciarem na escolha do líder e outros;
III. Feitas as sugestões, caberá ao líder eleito fazer sua decisão, baseado ou não num dos critérios apontados. Todo critério é válido, exceto o de redistribuir o dinheiro, dando a cada um a mesma importância;
IV. O líder processará a redistribuição do dinheiro, explicando o critério que irá adotar, seguindo-se um debate em torno do exercício realizado.

14 - Evangelho em Pedaços
Objetivo:
Estimular a procura e análise de passagens da Bíblia.
Quantidade de Participantes:
10 a 15 pessoas
Material:
Papéis com pequenos trechos da Bíblia (partes de passagens) com indicação do livro, capítulo e versículos.
Tempo Estimado:
30 minutos
Desenvolvimento:
Cada integrante recebe um trecho da Bíblia e procura compreendê-lo. Para melhorar a compreensão do trecho, deve consultar a passagem completa na Bíblia. Em seguida, os integrantes devem ler o seu trecho e comentá-lo para o grupo. Ao final, é aberto o debato sobre os trechos selecionados e as mensagens por eles transmitidas.

15 - Um Trabalho em Equipe

Objetivo:
Demonstrar a eficiência de um trabalho de equipe.
Quantidade de Participantes:
5 a 7 pessoas
Material:
Uma cópia para cada membro da avenida complicada, caneta
Tempo Estimado:
30 minutos
Desenvolvimento:
1. A tarefa do grupo consiste em encontrar um método de trabalho que resolva com máxima rapidez o problema da avenida complicada;
2. O coordenador formará subgrupos de 5 a 7 pessoas, entregando a cada participante uma cópia da avenida complicada;
3. Todos os subgrupos procurarão resolver o problema da avenida complicada, com a ajuda de toda a equipe;
4. Obedecendo as informações constantes da cópia a solução final deverá apresentar cada uma das cinco casa caracterizadas quanto a cor, ao proprietário, a condução, a bebida e ao animal doméstico;
5. Será vencedor da tarefa o subgrupo que apresentar por primeiro a solução do problema;
6. Terminado o exercício, cada subgrupo fará uma avaliação acerca da participação dos membros da equipe na tarefa grupal;
7. O coordenador poderá formar um plenário com a participação de todos os membros dos subgrupos para comentários e depoimentos.
A avenida complicada
A tarefa do grupo consiste em encontrar um método de trabalho que possa resolver, com a máxima brevidade possível, o problema da avenida complicada.
Sobre a avenida complicada encontram-se cinco casas numeradas; 801, 803, 805, 807 e 809, da esquerda para a direita. Cada casa caracteriza-se pela cor diferente, pelo proprietário que é de nacionalidade diferente, pela condução que é de marca diferente, pela bebida diferente e pelo animal doméstico diferente.
As informações que permitirão a solução da avenida complicada são: As cinco casas estão localizadas sobre a mesma avenida e no mesmo lado. O mexicano mora na casa vermelha, O peruano tem um carro mercedes-benz, O argentino possui um cachorro, O chileno bebe coca-cola, Os coelhos estão a mesma distância do cadilac e da cerveja, O gato não bebe café e não mora na casa azul, Na casa verde bebe-se whisky, A vaca é vizinha da casa onde se bebe coca-cola, A casa verde é vizinha da casa direita, cinza, O peruano e o argentino são vizinhos, O proprietário do volkswagem cria coelhos, O chevrolet pertence a casa de cor rosa, Bebe-se pepsi-cola na 3 casa, O brasileiro é vizinho da casa azul, O proprietário do carro ford bebe cerveja, O proprietário da vaca é vizinho do dono do cadilac, O proprietário do carro chevrolet é vizinho do dono do cavalo.

16 - Aulinha

Objetivo:
Desenvolver nos participantes a capacidade de improvisação, síntese, clareza e de avaliação.
Quantidade de Participantes:
25 a 30 pessoas
Material:
O mesmo número de temas para o de participantes do grupo.
Tempo Estimado:
35 minutos
Desenvolvimento:
A AULINHA é dada quando o grupo tem dificuldade de expressão, é inibido e prolixo. Para isso o coordenador:
1. Entrega a cada participante o tema, sobre o qual deverá expor suas idéias, durante dois ou três minutos;
2. O membro participante anterior ou posterior dará uma nota ou conceito ao expositor, que será comunicada ao grupo no final do exercício;
3. A AULINHA permite diversas variações, tais como:
A) O coordenador em vez de dar a cada participante um título de tema para dissertar em público, poderá utilizar somente um tema, ou então vários temas mas com uma introdução para auxiliar as pessoas, ou até mesmo um texto para ser lido.
B) Ou ainda pode-se utilizar uma folha em branco para que cada participante possa lançar nela no mínimo dois assuntos da atualidade, notícias recentes de jornais. A seguir recolherá os assuntos, que cada participante possa dar sua AULINHA, escolhendo um dos artigos constantes na papeleta.


17 - Técnica de Encontro


Objetivo:
- Estabelecer um comunicação real.
- Auxiliar os participante a se tornarem conscientes de sua verdadeira reação uns em relação aos outros, através do uso dos sentimentos em todo o corpo.
Quantidade de Participantes:
25 pessoas
Tempo Estimado:
1 hora
Desenvolvimento:
1. O coordenador convida dois voluntários para que fiquem de pé, uma em cada extremidade da sala, silenciosas, olhando-se nos olhos, e andando muito lentamente, uma em direção à outra.
2. Sem haverem nada planejado, quando as duas pessoas se encontrar bem próximas uma da outra, deverão fazer o que quer que sintam impelidas a fazer.
3. Poderão continuar o encontro durante o tempo que quiserem.
4. Terminado o encontro, o exercício prossegue, com outros dois, caso seja necessário.
5. No final da experiência, seguem-se os comentários não só dos protagonistas, como dos observadores.

18 - MINHA VIDA PELAS FIGURAS
Objetivos
Integração, apresentação, aquecimento, sensibilização, percepção de si, reflexão, comunicação, conhecimento de si.

Participantes
10

Recursos
Figuras diversas (pessoas, formas, animais) de jornais, revistas, em branco e preto ou colorido.

Tempo
50 min

Instruções

Individualmente, solicitar que os participantes pensem (ou escrevam) a estória da sua vida (familiar, afetiva, profissional), por aproximadamente 10 minutos.

Espalhar figuras pelo chão (ou mesa grande) para que cada um procure aquela que mais se identifica.

Importante, nesta técnica, ter disponível muito maior número de figuras do que de participantes, para que fiquem à vontade na escolha.

Sucintamente, solicitar que cada participante conte a estória de sua vida através da figura, onde dirá o que chamou sua atenção sobre ela.

VARIAÇÃO: pode-se eliminar a fase de reflexão individual.

19 - COMPRIMIDO PARA A FÉ

Objetivo:
Nós, Templo do Espírito Santo. A graça de Deus na vida do cristão.
Material:
Três copos com água. Três comprimidos efervescentes. (aqueles com envelope tipo sonrisal)
Desenvolvimento:
1. Colocar três copos com água sobre a mesa.
2. Pegar três comprimidos efervescentes, ainda dentro da embalagem.
3. Pedir para prestarem atenção e colocar o primeiro comprimido com a embalagem ao lado do primeiro copo com água.
4. Colocar o segundo comprimido dentro do segundo copo, mas com a embalagem.
5. Por fim, retirar o terceiro comprimido da embalagem e colocá-lo dentro do terceiro copo com água.
6. Pedir que os participantes digam o que observaram.


20 - O Encontro de Dois Grupos

Objetivo:
- Melhorar as relações entre dois grupos.
- Explorar a interação de grupos.
Quantidade de Participantes:
Dois grupos com não mais de 15 pessoas.
Material:
Folhas grandes de cartolina.
Tempo Estimado:
2 horas
Desenvolvimento:
O coordenador forma dois subgrupos. Cada um deverá responder, numa das folhas de cartolina:
- Como o nosso grupo vê o outro grupo?
- Como o nosso grupo pensa que somos vistos pelo outro grupo?
Após 1 hora reuni-se todo o grupo e o(s) representante(s) de cada subgrupo deverá expor a conclusão do subgrupo. Novamente os subgrupos se reúnem para preparar uma resposta ao outro subgrupo e após meia hora forma-se o grupo grande de novo e serão apresentadas as defesas, podendo haver a discussão.

21 - Os três copos

Orientação:
a) Preparar o ambiente, tendo uma
mesa com três copos com água, um com óleo,
um pires com terra e um pouco de vinho tinto.
b) Convidar pessoas para misturarem
óleo no primeiro copo de água, terra no segundo
e vinho no terceiro, de tal forma que todos vejam.
Desenvolvimento: Após a dinâmica pedir que os alunos observem o que aconteceu. Em seguida, refletir juntos.

Analisar: * Qual a diferença entre as misturas de cada copo?
* Isso tem algo a ver com nossa vida?
Com nossa forma de participar da comunidade cristã?
* O que simboliza o óleo na
água? A terra? O vinho?
* Que tipo de cristãos lembram
as três misturas?
Deixar que os adolescentes partilhem.
Lembrar aos alunos as diversas vocações
específicas que existem dentro da Igreja: Leiga (Solteiro(a),
Casado(a), Religiosa, Missionária Específica,
Sacerdotal (Bispo, Padre, Diácono permanente).

22 - Evangelho em Pedaços

Objetivo:
Estimular a procura e análise de passagens da Bíblia.
Quantidade de Participantes:
10 a 15 pessoas
Material:
Papéis com pequenos trechos da Bíblia (partes de passagens) com indicação do livro, capítulo e versículos.
Tempo Estimado:
30 minutos
Desenvolvimento:
Cada integrante recebe um trecho da Bíblia e procura compreendê-lo. Para melhorar a compreensão do trecho, deve consultar a passagem completa na Bíblia. Em seguida, os integrantes devem ler o seu trecho e comentá-lo para o grupo. Ao final, é aberto o debato sobre os trechos selecionados e as mensagens por eles transmitidas.

23 - O desafio na vida do Jovem

Conseguir várias figuras que mostrem a realidade
do mundo e do jovem. Ex.: figuras de solidão, pobreza, injustiça,
riqueza, amizade, festa, tristeza, família, drogas, educação...;
colocá-las ao redor de uma imagem com o rosto de Jesus.

Motivar o grupo
a permanecer em silêncio por alguns minutos, olhando atentamente
as figuras e sentindo o que elas ‘falam’ a cada um. (Obs.: se acharem
oportuno, podem colocar neste momento de reflexão, uma música
instrumental que ajude na concentração).

Depois, o animador convida os jovens para partilhar o
que sentiram neste momento.

24 - O cego Bartimeu

O animador lê o seguinte texto Mc 10, 46-52
Em seguida, confecciona seis corações de cartolina.
Na seqüência, escreve uma frase em cada um:
1. Jesus, filho de Davi, tende piedade de mim!
2. Repreenderam e mandaram que ficasse quieto.
3. O cego jogou o manto fora, deu um pulo e foi com Jesus.
4. Coragem, levante-se, porque Jesus está chamando você.
5. O cego começou a ver de novo e seguiu Jesus pelo caminho.
6. Jesus perguntou: O que você quer que eu faça por você?
Orientação:
Cortar os corações formando um quebra-cabeças(3
ou 4 partes).
Formar grupos. Cada grupo monta um quebra-cabeças(coração).
Ao formar a frase, o grupo deverá conversar sobre seu significado.
Escolher de forma criativa uma forma de apresentar a frase aos demais.

25 - Recordação da Infância

Objetivo:
Proporcionar o conhecimento recíproco da infância de cada integrante.
Quantidade de Participantes:
7 a 15 pessoas
Material:
Perguntas preparados pelo coordenador em número superior ao número de integrantes. (Obs.: Deve-se evitar perguntas que levem a recordações tristes.)
Tempo Estimado:
30 minutos
Desenvolvimento:
Cada integrante recebe aleatoriamente uma pergunta e a lê em voz alta para os demais, respondendo-a em seguida. As perguntas podem ser reutilizadas. Propostas de perguntas:
* Como era seu melhor amigo(a)?
* Como foi sua crisma?
* Como foi sua Primeira Eucaristia?
* Como seu pai gostaria que você fosse?
* O que você imaginava ser quando crescesse?
* Quais os seus sonhos de infância?
* Qual a melhor lembrança de seu padrinho?
* Qual a melhor lembrança de seu pai?
* Qual a melhor lembrança de sua infância?
* Qual a melhor lembrança de seu madrinha?
* Qual a melhor lembrança de seu mãe?
* Qual a sua primeira grande alegria?
* Qual o seu primeiro contato com Deus?
* Quando você descobriu que Cristo morreu por nós?
* Quando você rezou a primeira Ave-Maria?
* Quem te ensinou a rezar pela primeira vez?




Mande sua dinâmica para nossa equipe: pascomdodivino@pop.com.br



Posted by dinoelhardt at maio 31, 2007 01:41 PM
Comments
Comentário